Arquitetura Desconstrutivista

A Arquitetura Desconstrutivista pode ser chamada de Movimento Desconstrutivista ou apenas de Desconstrutivismo. O termo se refere a um estilo arquitetônico próprio da era pós-moderna, com início no final dos anos 80. Este estilo é caracterizado pelo desenvolvimento de traços não lineares e fragmentados, cujo princípio da ideia é justamente distorcer a base da arquitetura. O visual resultante é algo inusitado e diferente, que se destaca das demais construções com aparências retas.

A forma da Arquitetura Desconstrutivista é a distorção com o intuito de deslocar e não destruir, além de imprimir a sensação de buscar o diferente inserido no familiar. O visual deste estilo pode encantar a alguns e causar estranheza a outros. Com traços e formas que parecem expor algo com o objetivo de trazer inquietação. O estilo traz lembranças do expressionismo e cubismo.A filosofia da escola Desconstrutivista se deu pela influência do filósofos franceses Jacques Derrida e Peter Eisenman. Ambos elaboraram o conceito de que a arquitetura é uma linguagem que elucida uma mensagem através da sua estética. E toda obra de desconstrução requer um modelo de construção, como referência. Outra possível influência deste estilo é o Construtivismo Russo, termo este que prega a utilização de formas puras e geométricas, já o Desconstrutivismo com significado antagônico, rege o lema da transformação e desconstrução.

Baseado nesta arquitetura, o primeiro projeto do arquiteto Frank Gehry em Santa Mônica, Estados Unidos, foi realizado em sua própria residência em 1978. A construção se deu a partir de uma residência comum e suburbana, na qual Gehry alterou os traços e concebeu a arquitetura desconstrutivista no espaço.

Algumas obras que refletem a arquitetura desconstrutivista foram projetadas por Daniel Libeskind, como o Museu Judaico de Berlim e o Memorial de Mava Lin. E também por Peter Eisenman, o Memorial aos Judeus Mortos da Europa e a Casa Guardíola. Outras obras espalhadas pelo mundo, projetadas a partir da arquitetura desconstrutivista, podemos citar, Museu Guggenheim em Bilbao na Espanha, Walt Disney Concert Hall em Los Angeles, Vitra Design Museum na Alemanha, Centro Stata do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e Casa Dançante em Praga, todos desenvolvidos por Frank Gehry. Obras da iraquiana Zaha Hadid, como o Vitra Fire Station na Alemanha, Centro Rosenthal de Arte Contemporânea nos Estados Unidos, Terminal Hoenheim-North & Estacionamento na França e Bergisel Ski Jump na Áustria. E de Rem Koolhaas, como Villa Dall’Ava em Paris, Biblioteca Central de Seattle, Casa da Música em Portugal e a Embaixada dos Países Baixos em Berlim.

Por fim, a Arquitetura Desconstrutivista tem o intuito de libertar as pré-definições das regras geométricas, e atualmente abrange uma enorme tendência dentro da escola Contemporânea.

Fontes:
http://www.arquitetonico.ufsc.br/arquitetura-desconstrutivista
http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/181/artigo131095-3.asp

Arquivado em: Arquitetura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *